Wednesday, September 14, 2016



 Gonostoma elongatum




Chiasmodon niger



Malacosteus niger













                                       Espécie não identificada que produz luz amarela





Estas ilustrações estão presentes no livro «Fire in the Sea: Bioluminescence & Henry Compton's Art of the Deep»

H. Compton descreveu a Gonostoma elongatum como: «tão brilhante como uma strip de Las Vegas.»
Mas outras espécies são igualmente bastante luminosas: uma espetacular ilustração da espécie Chiasmodon niger, mostra a bioluminescência desta espécie, somada à da luminosa presa que esta conseguiu apanhar, com grupos de luzes ao longo de corpo (de cores diferentes).
As espécies aqui representadas e identificadas estão presentes em Portugal (e tantas outras mais que aparecem no livro).
Henry Compton, biólogo marinho, fez muitos mergulhos no Golfo do México, e tinha como hábito, apanhar animais abissais, observá-los e fotografá-los num quarto escuro durante horas. Fez algumas  descrições taxonómicas assim como escreveu algumas estranhas narrativas sobre os animais que via.
    David McKee, o autor deste livro, infelizmente nunca teve a chance de conhecer pessoalmente Compton, pois este morreu, na mesma semana em que os dois iam supostamente se encontrar. 
    Depois da morte de Compton, 2 caixas que continham os seus pertences, foram encontradas na                        garagem da sua cunhada, onde ficaram uns 6 meses, até esta se decidir a comunicar a sua               presença, junto de David McKee. Ambos se reuniram e David ficou espantado com a quantidade           de informação e os desenhos de Henry Compton.
    Após a publicação da obra, «Foi como se tivesse dado à luz», disse McKee.
    O livro inclue 59 pinturas de Compton, taxonomia, narrativas e alguma informação sobre as                           profundidades  abissais oceânicas e sobre o próprio Henry Compton.







10 comments:

Tânia Cardoso said...



Adorei!

M. Resende said...



Muito interessante, sem dúvida.

Não existem estas espécies em todos os mares?

lightalive said...



Não, tanto quanto se sabe, várias só têm sido encontradas em certos países, em certas zonas dos oceanos e normalmente apenas a grandes profundidades.

Geog M. said...



Gostei da história por trás destas belas ilustrações.

Obrigado.

M. Resende said...



Ok, obrigado pela informação.

Rita Fernandes said...



Achei curioso e intrigante, agradeço-lhe a partilha.

Tenho tido pouco tempo, mas a pouco e pouco, vou preparando o relato do que vi este verão junto ao mar (tal como prometi há uns meses, pois disse que iria estar a fazer investigação numa zona do litoral).


lightalive said...



Obrigado, Rita!

Fernando Martim said...



As ilustrações estão muito boas e tal como o Sr. Geog. disse, a história também.


Os fundos oceânicos, ao contrário do que alguns pensavam há uns anos, estão cheios de vida.


Na última ilustração, reparei que o autor quis dar um realismo maior à emissão luminosa do peixe, e o efeito ficou engraçado.






Pleia Des said...



Bela surpresa, obrigado!

Extraordinária a complexidade.


Andamos a pôr em risco estas espécies?

lightalive said...



A pesca de profundidade no mar alto e a poluição, são altamente prejudiciais para estas espécies.

Os ecossistemas abissais, têm uma enorme importância para a saúde dos mares e do planeta.