Friday, December 28, 2007

Cogumelos brilhantes




   Uma perspetiva diferente....



    Cogumelos brilhantes a crescer num ramo






   Mainichi Shimbun









  Foto de Rodrigo Baleia



  Como já foi afirmado a bioluminescência chega também ao mundo dos fungos.


  Em Portugal também existem cogumelos bioluminescentes, que são, às vezes, visíveis em locais   frescos e em noites húmidas, nomeadamente em florestas de folha larga.

  Fonte


Factos sobre a bioluminescência


  Oligoquetas brilhantes.



A bioluminescência como a conhecemos é produzida de forma bioquímica por fungos, batérias e animais.

As côres conhecidas até agora são azul, verde, amarelo, laranja, vermelho, rosa e roxo.

Têm a maior profusão nos oceanos.

Peixes, moluscos, equinodermes, crustáceos, cnidários, plancton (entre outros) produzem luz.

Em água doce, existem alguns casos, como em algumas larvas de vaga lume que têm uma vida aquática e depois regressam ao ambiente terrestre para construir um casulo e tornarem-se adultas, no caso de um gastrópode aquático (Latia neritoides) da Nova Zelândia e algumas batérias parasitas que provocam a «doença luminosa» em alguns artrópodes aquáticos.

Em terra existe uma espécie de caracol luminoso, na Malásia (Quantula striata), existem milipedes, centipedes, oligoquetas (minhocas), fungos (cogumelos), nemátodes e entre os insetos existem colêmbolos, baratas, alguns Dípteros, e pelo menos 4 famílias de escaravelhos (Staphylinidae, Lampyridae, Phengodidae e Elateridae), também conhecidos vulgarmente por pirilampos.




Thursday, December 27, 2007

Vaga lumes: variedade e caraterísticas



2 larvas de Lamprohiza mulsanti em plena escuridão.
A luz está a ser observada lateralmente, mas sobretudo dorsalmente.



Existem 4 famílias principais de pirilampos (Elateridae, Staphylinidae, Lampyridae e Phengodidae) além de que alguns Diptera são também conhecidos por pirilampo na Austrália.
Em Portugal conhece-se os Lampyridae (todos são luminosos), Elateridae (não se sabe ainda se alguma espécie será produtora de luz) e alguns Diptera que são bioluminescentes.
Existem por todo o mundo mais de 2000 espécies de vaga lumes, sendo que no Brasil é onde existe a maior variedade. Muitas espécies estão ainda por identificar.
A luz dos vaga lumes é produzida através de um processo de oxidação de uma molécula de luciferina. Esta ao oxidar (reagir com o oxigénio), dá origem à oxiluciferina (que é uma molécula energizada) em presença de ATP (trifosfato de adenosina), e quando esta molécula se desactiva ou perde a sua energia passa a manifestar-se sob a forma de luz. Esta é uma luz fria, ecológica e ultra-eficaz, pois tem uma eficácia de 95%-100% enquanto uma lâmpada normal, apenas tem uma eficácia de cerca de 5% e ainda por cima liberta sob a forma de calor, a energia desperdiçada.
Para produzir uma lâmpada normal, são precisos cerca de 300kgs de carvão, o que requer a utilização de uma grande quantidade de recursos naturais.
A luz dos pirilampos tem objetivos diferentes consoante a situação, servindo para: atração para acasalamento, alerta contra predadores, comunicação entre os machos e até para atrair caça.
As côres conhecidas até hoje variam entre o azul, o verde, o laranja o amarelo e o vermelho.
Entre estas côres observam-se variantes diferentes e algumas espécies apresentam luzes de côres diferentes (Phengodidae).